sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

2013


Boa noite.

Hoje resolvi vir escrever um pouco para vos contar como têm sido estes últimos meses na minha vida.


Como sabem para variar vou começar a lamentar-me e a dizer que não sou feliz porque isto e porque aquilo.


Neste momento sinto-me literalmente um mono, uma pessoa simplesmente sem saber para que lado virar.


Acabei o meu curso que tanto me queixava que não me fazia feliz porque nunca foi isto o que eu quis fazer. Na verdade neste momento devia estar mais do que feliz pois finalmente posso ter a oportunidade de seguir a carreira que sempre quis. Mas como é óbvio não tenho feito nada.


A verdade é que o ano passado trouxe-me muitas coisas novas um bocado às pancadas e sem contar e não tive tempo para pensar nelas em condições.
Do nada vi-me com 2 empregos, um curso para acabar mais outras atividades logo no início de 2012 e fui obrigado a adaptar-me sem pensar muito no que estava a fazer.


Acabei por me dar bem, mesmo não tendo uma única folga por semana consegui concluir o meu curso com uma boa média.
Por outro lado arranjei um emprego na área algo que nunca pensei em conseguir.
Em setembro do ano passado decidi que ia estudar japonês. Sempre foi um dos meus objetivos de quando era mais novo e já que tenho tempo e algum dinheiro resolvi investir em mim.


No entanto, desde esse mês que as coisas não têm propriamente corrido bem. Também não correm mal mas a minha vida resumiu-se a trabalhar, trabalhar, estudar e pouco mais. Parece que de um momento para o outro, a minha vontade de viver foi-se.


Se antes tinha um pânico enorme pela morte (ainda tenho), agora sinto esse pânico no meu dia a dia pois não faço nada que me realize pessoalmente, não faço nada que me dê aquela alegria que antigamente sentia quando acordava ou antes de ir dormir. Até aquele momento em que antes de adormecer me punha a imaginar a vida que sempre quis desapareceu, simplesmente não tenho vontade de o fazer de tão desanimado que estou.


Talvez seja falta de ir treinar, porque eu sempre fui ao ginásio e ultimamente não tenho ido, não sei. Só sei que até quando era mais novo e estava nestes momentos de tristeza nunca me tinha ido tão abaixo.


Já disse uma vez que se calhar preciso de encerrar um ciclo na minha vida e não tive tempo para isso. Ou então chegou a altura de me assentar porque mais cedo ou mais tarde olhamos para o espelho e percebemos que estamos sozinhos e isso mata-nos aos poucos.


Já tomei algumas decisões para 2013, não sou muito de ir atrás disso mas até pode ser que me ajude. Decidi voltar para o ginásio, tentar deixar alguns vícios que me fazem mal, decidi cortar em carne animal vermelha (não radicalmente, porque nunca fui apologista de radicalismos, é doentio), e tentar divertir-me mais.


Quem me viu e quem me vê. Pareço um velho a falar e ainda só vou fazer 26 anos. Sou tão novo tenho tanta energia e vitalidade e estou a desperdiçá-la. Ainda me irrita mais saber isso e não fazer nada.


Mas já me soube bem desabafar um pouco, talvez fosse isto o que eu precisava. Vamos ver se é desta que ando para a frente. Já chega de lamentações. Cada vez que leio o blog fico doente com o que me ia na alma na altura.


Bem, boa sorte para mim.


Tenho dito

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

New season!

Confesso que nunca fui bom a tomar decisões, talvez sejam sequelas dos meus pais que também sofrem do mesmo mas a verdade é que os medos que eu tinha das vezes que escrevia aqui deixaram de existir (talvez só o da morte ainda perdure).
Lembro-me de me queixar que tinha medo de sair da minha zona de conforto; a verdade é que saí e num ano acabei o curso.
O sonho de me tornar livre tornou-se realidade. Mas a verdade é que me sinto mais preso do que nunca !!
Estou encurralado no meio de questões do tipo "e agora?" "para que lado me hei-de virar?" "é verdade que posso fazer tudo o que quero?"
Mas porque é que eu me tornei um medricas???
Agora posso tirar o meu curso que sempre sonhei, posso fazer o que quero pois felizmente tenho dois trabalhos e ganho o suficiente para isso, mas a verdade é que pouco ou nada fiz.
Resolvi tirar o curso de japonês já que sempre pensei em ir estudar para lá mas por outro lado penso que estou a adiar mais um ano aquilo que queria seguir, artes e multimédia!
Agora que fiz 25 anos percebi que a vida é mesmo muito curta e que temos que nos apressar senão damos por nós e já temos 50 anos e não fizemos nada. Por outro lado o já ter 25 anos faz-me pensar que os sonhos são parvoíces de chavalo e que o nós simplesmente existimos e vivemos, ou seja, o sonho de descobrirmos aquilo que somos e que queremos ser não passa de isso mesmo: sonhos.
Seja o que for já fui fazendo alguns progressos. Normalmente o meu "ano" começa em setembro e já tomei algumas decisões: o curso de japonês, o ginásio, e o CAP. Mas continuo a sentir que falta qualquer coisa, mas uma coisa de cada vez. Já fui mais medricas por isso até acho que apesar de tudo estou a fazer progressos.

Daqui a um mês volto a desabafar.
Tenho dito.

segunda-feira, 26 de março de 2012

Adulto?

Resolvi vir cá escrever porque ao longo destes meses tenho andado com um sentimento muito estranho de que como se a qualquer momento fosse acontecer alguma coisa a mim ou a algum ente muito querido.

Não há um único dia em que não pense na morte e a veja como o fim de tudo, como se tudo o que faça aqui não sirva de nada nem para nada porque no fim vou desaparecer e não vou ser lembrado por ninguém. Todos os dias penso nisto e fico numa agonia que não sei explicar.

Não tenho vivido como deve ser, tenho ando simplesmente a caminhar por aí, a fazer as coisas sem as sentir, sem perceber afinal para que serve o que estou a fazer.

Em certa medida até nem me posso queixar. Arranjei um emprego na minha área, agora ando sobrecarregado com dois trabalhos mais a universidade, mas a verdade é que não estou a ter absolutamente nenhum gosto no que estou a fazer. Às vezes simplesmente não vou as aulas, ou chego mais tarde ao escritório ou ponho-me colado no pc a ver videos no Youtube e no Facebook sem ter nenhum propósito.

E isto veio assim do nada. O ano passado andei a viver intensamente, foi para mim um dos meus melhores anos, viajei muito saí muito, tive a minha maior relação amorosa (lol) e agora estou aqui e sinto-me um mono que não tem qualquer tipo de objetivos, que não sente o que está a viver.

Por um lado até tenho saído muito, divertido, mas lá está, vem sempre aquele pensamento da morte ao de cima e volta o estado de agonia de sempre.

Eu sempre tive pânico da morte, volta e meia tinha uns ataques em que gritava até ficar sem voz, mas era passageiro, era como se fosse uma descarga de nervos que me ajudava a acalmar. Mas agora, são todos os dias em que eu não penso nisso.

Será isto a vida? Esta agonia constante?? Estas dúvidas persistentes que nos fazem por em causa tudo? Ou será esta agonia que nos faz querer vencer na vida e concretizar os nossos desejos?

Talvez isto seja ser adulto, não sei. Agora que me vejo com 25 anos e ainda tenho muitas coisas típicas de um rapaz de 17 se calhar tenho que parar de pensar e de remoer tanto nas coisas e começar a agir senão daqui a nada estou velho e aí sim estarei num agonia tremenda porque não
fiz nada do que queria e estou no limite da minha existência.

Se houver mais alguém que pense assim por favor partilhe comigo, porque tenho medo de ser o único com estes pensamentos estúpidos.

Tenho dito.